"VIR A SER...

Eu procuro por mim.
Eu procuro por tudo o que é meu
e que em mim se esconde.
Eu procuro por um saber
que ainda não sei,
mas que de alguma forma já sabe em mim.
Eu sou assim...
processo constante de vir a ser.
O que sou e ainda serei
são verbos que se conjugam
sob áurea de um mistério fascinante.
Eu me recebo de Deus e a Ele me devolvo.
Movimento que não termina
porque terminar é o mesmo que deixar de ser.
Eu sou o que sou na medida em que
me permito ser.
E quando não sou é porque o ser eu não
soube escolher."

Pe. Fábio de Melo.

Retirado do livro: "Quem me roubou de mim? - O sequestro da subjetividade e o desafio de ser pessoa."

"Uma fortaleza é construída quando os homens que nela trabalham são fortes como a rocha onde está sendo erguida, sendo assim sua construção é consistente como um empreendedor que busca na criação de sua mente e de seu esforço físico, transformar as rochas de seu trabalho em uma sólida e magnifica fortaleza."
Vitor Marques

" Enquanto algumas pessoas fazem de tudo para se tornarem marcantes, outras agem naturalmente e se tornam inesquecíveis."

A PEDRA QUE AS VEZES ENCONTRAMOS EM NOSSO CAMINHO!


O distraído nela tropeçou...
O bruto a usou como projétil.
O empreendedor, usando-a; construiu.
O camponês, cansado da vida; dela fez assento.
Para meninos, foi um brinquedo.
Drummond a poetizou.
Já David; matou Golias e Michelangelo extraiu-lhe a mais bela escultura...
E em todos esses casos; a diferença não esteve na pedra, mas no homem!
Não existe "PEDRA" no seu caminho, que você não possa aproveitá-la, para o seu próprio crescimento. ACREDITE EM VOCÊ!!!
(São Tomédas Letras)

COMO DEVE SE DAR UMA MÁ NOTÍCIA


Um sujeito estava no maior ronco, quando toca o telefone, em plena madrugada:

- Aqui é o Aristides, o caseiro da sua fazenda!
- O que houve Aristides, aconteceu alguma coisa grave?
- Nada não, doutor! Eu só queria avisar que o seu papagaio morreu!
- Meu papagaio? Aquele que ganhou o concurso no mês passado?
- Sim, esse mesmo!
- Puxa, que pena! Eu havia pago uma pequena fortuna por ele... Mas ele morreu de quê?
- Comeu carne estragada!
- Carne estragada? Quem deu carne estragada para ele?- Ninguém... ele comeu de um dos cavalos que estavam mortos!
- Que cavalos?- Dos seus cavalos puro sangue! Eles morreram de cansaço, puxando a carroça d'água.
-- Puxando a carroça d'água? Que água?
- Para apagar o fogo!
- Fogo? Onde?
- Na sua casa... uma vela caiu na cortina e ela pegou fogo.
- Vela? Mas quem foi acender vela lá em casa, se tinha eletricidade?
- Foi uma das velas do velório!
- Velório?!
- É, o velório da sua mãe... ela chegou aqui de madrugada sem avisar e eu atirei nela, pensando que era um ladrão!

A vírgula

A vírgula pode ser uma pausa. Ou não.
NÃO, ESPERE.
NÃO ESPERE.

A vírgula pode criar heróis.
ISSO SÓ, ELE RESOLVE.
ISSO,SÓ ELE RESOLVE.

Ela pode forçar o que você não quer.
ACEITO, OBRIGADO.
ACEITO OBRIGADO.

Pode acusar a pessoa errada.
Esse,juiz, é corrupto.
Esse juiz é corrupto.

A vírgula pode mudar uma opinião.
NÃO QUERO LER.
NÃO, QUERO LER.

UMA VÍRGULA MUDA TUDO.

Texto retirado de uma revista.
ABI ( Associação Brasileira de Imprensa)

"Apesar dos nossos defeitos, precisamos enxergar que somos pérolas únicas no teatro da vida e entender que não existem pessoas de sucesso e pessoas fracassadas. O que existem são pessoas que lutam pelos seus sonhos ou desistem deles."
Augusto Cury

BEIJO IMAGINÁRIO




Há certo tempo atrás, um homem castigou sua filhinha de 3 anos por desperdiçar um rolo de papel de presente dourado.
O dinheiro andava escasso naqueles dias, razão pela qual o homem ficou furioso ao ver a menina envolvendo uma caixinha com aquele papel dourado e colocá-la debaixo da árvore de Natal.
Apesar de tudo, na manhã seguinte, a menininha levou o presente a seu pai e disse:
"Isto é pra você, paizinho!". Ele sentiu-se envergonhado da sua furiosa reação, mas voltou a "explodir" quando viu que a caixa estava vazia.
Gritou, dizendo: "Você não sabe que quando se dá um presente a alguém, a gente coloca alguma coisa dentro da caixa?"
A pequena menina olhou para cima com lágrima nos olhos e disse:
"Oh, Paizinho, não está vazia. Eu soprei beijos dentro da caixa. Todos para você, Papai."
O pai quase morreu de vergonha, abraçou a menina e suplicou que o perdoasse.
Dizem que o homem guardou a caixa dourada ao lado de sua cama por anos e sempre que se sentia triste, chateado, deprimido, ele tomava da caixa um beijo imaginário e recordava o amor que sua filha havia posto ali dentro.
De uma forma simples, mas sensível, cada um de nós humanos temos recebido uma caixinha dourada, cheia de amor incondicional e beijos de nossos pais, filhos, irmãos e amigos....
Ninguém poderá ter uma propriedade ou posse mais bonita que essa.

"Ser capaz de colocar continuamente em questão as próprias opiniões - está é, para mim, a condição preliminar de qualquer inteligência."

Italo Calvino - escritor italiano

" Poema da Prosperidade "


Nem a tristeza, nem a desilusão,
nem a incerteza, nem a solidão,
NADA ME IMPEDIRÁ DE SORRIR.

Nem o medo, nem a depressão,
por mais que sofra meu coração,
NADA ME IMPEDIRÁ DE SONHAR.

Nem o desespero, nem a descrença,
muito menos o ódio ou alguma ofensa,
NADA ME IMPEDIRÁ DE VIVER.

Em meio as trevas, entre os espinhos,
nas tempestades e nos descaminhos,
NADA ME IMPEDIRÁ DE CRER EM DEUS.

Mesmo errando e aprendendo,
tudo me será favorável,
para que eu possa sempre evoluir,
preservar, servir, cantar,
agradecer, perdoar, recomeçar...

QUERO VIVER O DIA DE HOJE
COMO SE FOSSE O PRIMEIRO.

Quero viver o momento de agora
como se ainda fosse cedo,
como se nunca fosse tarde.

Quero manter o otimismo,
conservar o equilíbrio,
fortalecer a minha esperança,
recompor minhas energias,
para prosperar na minha missão
e viver alegre todos os dias.

Quero caminhar na certeza de chegar,
quero lutar na certeza de vencer,
quero buscar na certeza de alcançar,
quero saber esperar,
para poder realizar os ideais do meu ser.

ENFIM,
quero dar o máximo de mim, para viver
intensamente e maravilhosamente
TODOS OS DIAS DA MINHA VIDA.

(Carlos Alberto Lemberg)

Morre lentamente - Pablo Neruda

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os “is” em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.

``Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida, fugir dos conselhos sensatos.´´

Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.

Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.

Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade.

Pablo Neruda
..................................................................

POEM - Pablo Neruda: Dies Slowly

Who dies slowly if it every day transforms into slave of the habit, repeating the same not dumb passages, who of mark, not if it risks to dress a new color or colloquy with who does not know.

Guru dies who slowly makes of the television its.

Who dies slowly prevents a passion, who prefers the black on the white and the points on “is” in detriment of a whirlwind of emotions, exactly the ones that rescue the brightness of the eyes, smiles of the yawns, hearts to the slips and feelings.

``Dies slowly who does not turn the table when it is unhappy with its work, who does not risk the certainty for the uncertain one to go behind a dream, who is not allowed at least a time in the life, to run away from the advice sensible.´´

Who dies slowly does not travel, who does not read, who does not hear music, who does not find favour in itself exactly.

Who dies slowly destroys its selfishness, who is not left to help.

It dies slowly, who passes the days complaining of its me the luck or incessant rain.

It dies slowly, who abandons one projecto before initiating it, not question on a subject that is unaware of or it does not answer when they inquire to it on that it knows.

Let us prevent the death in soft doses, remembering whenever to be alive it very demands a bigger effort that the simple fact to breathe.
The perseverance will only make with that let us conquer a splendid period of training of happiness.

Pablo Neruda

"Eu só posso estar na vida do outro para fazer o bem, para acrescentar; caso contrário, eu sou perfeitamente dispensável."

(Pe. Fábio de Melo)

A FÁBULA DO MORANGO




Um sujeito estava caindo em um barranco e se agarrou as raízes de uma árvore. Em cima do barranco, havia um urso imenso querendo devorá-lo. O urso rosnava, mostrava os dentes, babava de ansiedade pelo prato que tinha à sua frente. Embaixo, prontas para engoli-lo quando caísse, estavam nada mais nada menos do que seis onças tremendamente famintas. Ele erguia a cabeça, olhava para cima e via o urso rosnando. Abaixava depressa a cabeça para não perdê-la na sua boca. Quando o urso dava uma folga, ouvia o urro das onças, próximas de seu pé. As onças embaixo querendo comê-lo, e o urso em cima querendo devorá-lo.
Em determinado momento, ele olhou para o lado esquerdo e viu um morango vermelho, lindo, com aquelas escamas douradas refletindo o sol. Num esforço supremo, apoiou seu corpo, sustentado apenas pela mão direita, e, com a esquerda, pegou o morango. Quando pode olha-lo melhor, ficou inebriado com sua beleza. Então, levou o morango a boca e se deliciou com o sabor doce e suculento. Foi um prazer supremo comer aquele morango tão gostoso. Talvez você me pergunte: "Mas, e o urso?" esqueça o urso e coma os morangos! e as onças? azar das onças, coma os morangos! Às vezes, você esta em sua casa no final de semana com seus filhos e amigos, comendo um churrasco. percebendo seu mau humor, sua esposa lhe diz: Meu bem, relaxe e aproveite o domingo! E você, chateado, responde: "Como posso curtir o domingo se amanhã vai ter um monte de ursos querendo me pegar na empresa? "Relaxe, como está na bíblia, e viva um dia por vez: coma o morango.
Problemas acontecem na vida de todos nós, até o último suspiro. Sempre existirão ursos querendo comer nossas cabeças e onças, arrancar nossos pés. Isso faz parte da vida e é importante saber comer os morangos, sempre. A gente não pode deixar de comê-los só porque existem ursos e onças.
Você pode argumentar: "Eu tenho muitos problemas para resolver." Problemas não impedem ninguém de ser feliz. Coma o morango, não deixe que ele escape. Poderá não haver outra oportunidade de experimentar algo tão saboroso.
Saboreie os bons momentos. Sempre existirão ursos, onças e morangos. Eles fazem parte da vida. mas o importante é saber aproveitar o morango, porque o urso e a onça não dá para aproveitar. Coma o morango quando ele aparecer. Não deixe para depois. O melhor momento para ser feliz é agora. O futuro é ilusão que sempre será diferente do que imaginamos. As pessoas vêem o sucesso como uma miragem. Como aquela historia da cenoura pendurada na frente do burro que nunca a alcança. As pessoas visualizam metas e, quando as realizam, descobrem que elas não trouxeram felicidade. Então, continuam avançando e inventam outras metas que também não as tornam felizes. Vivem esperando o dia em que alcançarão algo que as deixará felizes. Elas esquecem que a felicidade é construída todos os dias. A felicidade não é algo que você vai conquistar fora de você. A felicidade é algo que vive dentro de você, de seu coração. A felicidade é a oportunidade que você cria para ser o artista de sua auto criação.